Notícias

Mães que integram a corporação contam as alegrias e os desafios da convivência em família e do prazer em servir a sociedade

09/05/2020 - Luiz Henrique Machado/Governo do Tocantins

O instinto materno não tem duas faces quando o assunto é a dedicação aos filhos. A entrega é sempre desmedida em favor das crias. E quando o amor à profissão também salta aos olhos, administrar o tempo para as duas coisas é um dom. Afinal, quando se tem a profissão de bombeira militar, o espírito de amor ao próximo, de responsabilidade e o sentimento de companheirismo para salvar uma vida se iguala àquele apresentado no seio familiar.

Quem é mãe e bombeira vive de saudade em saudade, entre um serviço e outro, ao deixar os filhos para ficar longe de casa por 24 horas. Há 12 anos na corporação, Patrícia Xavier, 3ª sargento do Corpo de Bombeiros Militar, é mãe do Miguel, 05 anos, e do Davi, 03 anos. Ela conta que, ao dar luz aos meninos, os sentimentos se potencializaram.

“Quando a gente se torna mãe, todos os sentimentos fazem mais sentido. Você consegue amar mais as pessoas, consegue amar mais a você mesma, ama mais o esposo, consegue viver com mais intensidade, tentando aproveitar ao máximo cada momento que o filho proporciona. O sentimento da maternidade traz muita maturidade, sensibilidade, amor ao próximo”, afirmou Patrícia, que é lotada na 1ª Companhia de Bombeiros.

Para a sargento, ser bombeira e ser mãe são dois nobres sentimentos que a acompanham dia após dia, aos quais ela se entrega e dá o melhor sempre.

“Eu exerço duas tarefas nobres missões em minha vida, a primeira é ser mãe do Miguel e do Davi, e a segunda é ser bombeira. Em casa eu tento dar o máximo, desempenhar a função com amor, gratidão, leveza, tendo em mente e coração que tudo que faço eu colherei. Ser bombeira não é diferente, entendendo que naquele momento tem alguém para eu proteger, ajudar, acolher e há algo para fazer por alguém que eu não conheço e ainda assim vou fazer da melhor forma possível”, frisa.

Amor sem margem

A sargento Kátia Oliveira e Silva Rodrigues, também lotada na 1ª Companhia e membro da corporação há 13 anos, descreve o sentimento pelo casal de filhos de forma mais profunda. “Pra mim, ser mãe é uma dádiva dada por Deus. Um amor resiliente, em que não enxergamos a sua margem, o seu final”, afirmou.

Tanto sentimento é dedicado a Benjamim, 03 anos, e a Emanuela, 06 meses. “Sou mãe por que Deus deu essa oportunidade, e sou muito feliz por isso. Sou bombeira militar, também, por que Deus permitiu e sou satisfeita com minha profissão. Acredito que a distância, devido ter que me ausentar pra trabalhar, traz um crescimento necessário pra mim e para meus filhos. Coopera para o amadurecimento deles. Com o tempo eles vão entendendo que a mamãe não é só peito, leite e afagos, mas também força, sabedoria e altivez”, completou.

Nos dias de escala, com plantão de 24 horas, a mamãe Kátia coloca a farda e sai de casa como sargento Kátia. O esposo passa a ser a companhia dos filhos. “Deixo tudo pronto, café, lanche, almoço e jantar. Sofro em pensar neles com fome”, revela.

Mas quando o assunto é servir a população, a sargento Kátia procura não se desconcentrar de sua outra missão. “Muitas das ocorrências que atendemos, me faz pensar em meus filhos, pois lidamos diretamente com problemas de saúde em geral e isso acaba nos deixando sensíveis”, afirmou.

“Claro que precisamos equilibrar tudo isso com sabedoria, pra não nos afetar e não prejudicar nossa convivência e a nossos queridos. Porém sempre estaremos nos lembrando, nos preocupando com eles onde estivermos, afinal, a missão de mãe é assim, cuidar, cuidar e cuidar. Sou totalmente satisfeita sendo mãe-bombeira, me sinto a pessoa mais útil do planeta”, assegurou.

Em tempos de pandemia, com o covid-19 assustando as famílias, Kátia não nega a preocupação com os que ficaram em casa. “Diante deste cenário, precisamos redobrar os cuidados e também evitar contato enquanto estiver de plantão. Por estar na linha de frente, não temos a opção de recuar, então isso nos preocupa sim”, disse. “Ainda bem, que tenho muitas mães exemplares na corporação, que me ajudam com palavras, gestos de carinho, isso me motiva e me dá segurança pra enfrentar essa tempestade em que estamos passando. Isso vai passar”, revelou.

Mensagem

O corpo de Bombeiros Militar conta com diversas mães em seu quadro, do Operacional ao Administrativo. A todas elas, e também a todas as mães de nossa sociedade, o coronel Reginaldo Leandro da Silva, comandante geral, deixou sua mensagem.

“Temos muito orgulho das bombeiras-mães existentes em nossa corporação, a missão de mãe é sublime e quando incorporada à atividade de bombeiro, o resultado não poderia ser melhor, bombeiras mais dedicadas, sensíveis a proteger vidas, muito mais humanidade. Reconhecemos o quanto elas são importantes em nosso meio. Parabéns a todas as mamães-bombeiras e todas as mamães de nosso querido Tocantins!”.